Uso do Nim na produção de mudas


Autor: Romina Lindemann - Data: 26/02/2013
RSS

Nim auxilia o controle da fusariose na produção de mudas
Artigo de Renato Scardoelli

Produtos à base de Nim têm se mostrado uma alternativa importante e de baixo custo para proporcionar melhor desenvolvimento do sistema radicular e da parte aérea das plantas, acelerando o seu processo de desenvolvimento e promovendo melhor aspecto fitossanitário

Azadirachta Indica pode soar um pouco estranho para alguns, mas este é nome científico do Nim, árvore de origem indiana que há mais de 4 mil anos é utilizada nos mais diversos tratamentos.


Por este motivo, desperta grande interesse da classe científica, inclusive na produção de mudas. A principal substância ativa do nim é a azadirachtina, sendo que outros triterpenoides, geduninas, nimbin e liminoides atuam em conjunto na ação inseticida.



A pós-doutora em química orgânica e professora da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Maria Fátima das Graças Fernandes da Silva, aponta que cerca de 400 espécies de insetos foram relatadas em pesquisas como sensíveis a algum tipo de ação do nim. Além desse tipo de ação, o nim tem efeitos sobre outros organimos, como nematóides, fungos, vírus, protozoários, diz, explicando que o produto, que atua como bioinseticida, se revela praticamente inócuo ao ambiente e ao homem.
Na produção de mudas de praticamente todas as espécies (frutíferas, hortaliças, reflorestamento etc), oNim tem se mostrado uma alternativa importante e de baixo custo para proporcionar melhor desenvolvimento do sistema radicular e da parte aérea das plantas, acelerando o seu processo de desenvolvimento e promovendo melhor aspecto fitossanitário.
Em média, a utilização do pó de Nim na proporção de 1% a 5% no substrato é suficiente para auxiliar na proteção contra fungos do solo e insetos subterrâneos, favorecendo o desenvolvimento das raízes e o combate de pragas como o fusarium.

Controle da fusariose

O controle da fusariose é difícil, por se tratar de um patógeno que pode sobreviver por longos períodos no solo e não se dispor de cultivares comerciais com resistência satisfatória.
Recentemente, a Embrapa Amazônia Oriental (Belém-PA) comprovou que a incorporação de folhas de Nim indiano no solo ainda na fase de produção de mudas da pimenteira-do-reino (Piper nigrum L.) permite que as mesmas sejam transplantadas para o campo totalmente livres da fusariose, combatendo, assim, um dos mais antigos, maiores e graves entraves desse setor produtivo no País.
A doença, também conhecida por podridão de raízes, dizima pimentais e causa prejuízos que não ocorrem no exterior, pois em outros países produtores está sob controle.
A doença é causada por um fungo presente no solo, o Fusarium solani f. sp. piperis. Não há cultivares comerciais resistentes nem tratamento químico eficaz contra o fusarium. Isso potencializa ainda mais os benefícios da nova tecnologia, especialmente entre agricultores familiares e pequenos produtores, pois é de fácil aplicação e baixo custo.
O controle alternativo da fusariose em mudas permite a implantação de novos pimentais com material propagativo sadio, retarda o aparecimento natural da doença no campo e diminui sua disseminação para novas áreas de plantio.

Os resultados da pesquisa estão publicados no Comunicado Técnico Tecnologia para o controle da podridão de raízes em mudas de pimenteira-do-reino.


O mesmo tipo de resultado foi encontrado pelo pesquisador Gilson Soares da Silva da Universidade Federal do Maranhão.
No trabalho, ele procurou avaliar o efeito da incorporação de folhas trituradas de Nim ao solo, sobre o complexo Fusarium x Meloidogyne em quiabeiros.



O resultado: em todos os tratamentos onde se usou folhas de Nim houve redução na incidência da doença, evidenciada pela percentagem de controle. A incorporação de 50g de folhas frescas de Nim foi eficiente para o controle de Meloidogyne e Fusarium isoladamente, bem como na interação desses patógenos.
O controle da fusariose e nematóides se dá também na produção de leguminosas como a soja e o feijão.
Outro caso bastante conhecido e divulgado é o do Engenheiro Agrônomo e produtor rural Élton Vargas, proprietário do viveiro Tekoá, em Águas Mornas (SC). Reconhecido como um dos pioneiros do uso do Nim na composição do substrato para a produção de mudas, ele relata que passou a ter um controle mais efetivo de pragas que atacam as folhas e raízes, e que o enraizamento se tornou mais saudável e vigoroso.
Vargas tem utilizado o nim na produção de mudas de hortaliças e eucalipto.

O resultado foi impressionante, e as mudas tiveram um enraizamento fantástico, resultando em uma ida mais cedo para o local definitivo de plantio. E o mais importante de tudo, tive uma eficácia de 95% no controle de larvas de Fungus gnatis, afirma o produtor.


Diversas pesquisas têm demonstrado que a adição ao solo de produtos derivados do Nim (Azadirachta indica Juss) tais como folhas, óleo e torta reduzem a incidência de fitonematóides e de alguns fungos fitopatogênicos.
A busca por métodos alternativos de manejo das doenças vem aumentando nos últimos anos, em decorrência dos efeitos nocivos que os defensivos agrícolas provocam ao meio ambiente e à saúde humana e os produtos à base de Nim podem se tornar um poderoso aliado na busca por uma agricultura limpa e sadia.

Preserva Mundi | Preserva mundi

loja virtual -facebook - twitter - blog

(11) 97543-7627 | anelissa@preservamundi.com.br


Você vai gostar também de:

Plantas ornamentais despoluidoras

você conhece o Neem?Veja como o Sítio Burle Marx cuida das plantas

Plantas do cerrado nos jardins de Burle Marx

Aposentadoria verde: Plantar árvores é um bom negócio

Paisagismo e reflorestamento com plantas nativas: as mudas, onde estão?

As bromélias e a dengue

Criaturas benéficas para as plantas de jardim e paisagismo

Plantas - quem ama, cuida

A revolta do ipê

Ozônio? Plantas em casa






Compartilhar:




Sem comentários Sem Avaliação lblAval

Página carregada em 0 milisegundos...
Programas de Computador para Paisagistas
7 Visões
Centro Paisagistico


Cadastre-se Grátis